quarta-feira, 1 de outubro de 2014


ASSIM RASTEJA A HUMANIDADE

Segue rastejando na lama fétida
cuspindo pútridas palavras
massacrando a humildade
gargalhando da dor de outra alma,
Não consegue ver através da crosta do egoísmo
que aprisiona e faz apodrecer bons sentimentos,
Mergulhado no poço da ostentação
incapaz de sentir uma gota de compaixão,
Segue derrubando e pisoteando o próximo
para subir um degrau aos pés da ganância,
Vai pela estrada da degradação
rumo ao vale da escuridão,
Assim rasteja a humanidade.


Jorge Floriano.

quarta-feira, 27 de agosto de 2014


FALSA FELICIDADE

Olhos brilhantes
Lábios sorridentes
Corpo atraente
Tão real é a sensualidade
Tão falsa é a felicidade
Nas frias madrugadas
Desfilando pela calçada
Mariposa embriagada.


Jorge Floriano.

quinta-feira, 31 de julho de 2014


A AMPULHETA E A LÂMINA FRIA

A ampulheta e a lâmina fria
pairando sobre a cabeça cansada...
Um mergulho nas águas do passado
vendo a criança de face rosada
acreditando num paraíso infinito
onde a vida era um eterno dia.

A areia da ampulheta caindo
e o aço da lâmina fria brilhando...
As águas ficando turvas,
a criança crescendo e sentindo
que o paraíso estava se comprimindo
e que a vida tinha noites, pedras e curvas.

A ampulheta e a lâmina fria
pairando sobre a cabeça cansada...
De volta ao vale do presente,
eis o homem de face marcada
sentindo tão próximo o dia
da escuridão eterna
após o golpe da lâmina fria.



Jorge Floriano.

quarta-feira, 25 de junho de 2014


ESTRADA SEM VOLTA  -  PARTE II

Amanhece e o sol lhe oferece sua luz
com a mesma intensidade dos primeiros dias,
Por essa luz não lhe cobra nem um breve sorriso,
Então você sente, da natureza, sua energia,
separando o inferno do paraíso,
recebendo a luz que lhe alivia.
Você precisa continuar caminhando,
o tempo cura qualquer ferida.
É preciso continuar sonhando,
Pois são os sonhos que alimentam a vida.

Jorge Floriano.

sexta-feira, 30 de maio de 2014


ESTRADA SEM VOLTA  -  PARTE I

Você caminha nesta estrada sem volta
onde  são raras as flores
e são tantos os espinhos.
Na sua bagagem pesa a revolta
de batalhas terminadas em dores
deixando um vazio no caminho.
A tristeza começa agir
com outros sentimentos medonhos
abrindo, na alma, uma grande ferida,
Então você pensa em desistir
dos seus sonhos
de sua vida.


Jorge Floriano.

quarta-feira, 30 de abril de 2014


NESTA TERRA O MAL SE LEVANTA

Nesta terra o mal se levanta,
mentes  insensatas,
ninho de serpentes...
A voz de um ser ecoa em treze gargantas,
derrubando matas,
soterrando nascentes...

Terra de um amanhecer tão triste,
hostilizada pelos que abusam do poder.
Nesta terra a justiça já não existe,
fruto que a corrupção fez apodrecer.

Nesta terra chegam forasteiros
trazendo lixo em suas mentes,
atuando nos reais pesadelos,
mostrando como agem os dementes.

Nesta terra o mal se levanta,
ninho de serpentes,
mentes insensatas,
soterrando nascentes,
derrubando matas.


Jorge Floriano.

sexta-feira, 28 de março de 2014


SENHORES DO PODER

Eis os senhores do poder
sentados à mesa com a senhora injustiça,
servindo-se da pútrida ganância
que cega
que fere
que mata...

O senhor e sua corja
juntos, na festa do cifrão,
de braços e abraços com a corrupção
que cega
que fere
que mata.


Jorge Floriano